7 de julho de 2011

tudo bem

Tinha tantas dores pelo corpo que se sentia confusa: não queria sequer pensar em nada, mas a cabeça estava a mil com a decisão que tomara naquele dia. Sentiu uma angústia por não ter conseguido, naquele dia mesmo, resolver tudo e colocar um ponto final naquela novela que parecia não ter fim. Depois de muitas horas de trabalho, antagonicamente, ainda tinha vontade de escrever. Mas não conseguiu. Prometeu a si mesma que o faria no dia seguinte.

Deitou na cama e sentiu um aperto no peito. Ao mesmo tempo, uma suave voz soprou em teu ouvido. "Vai ficar tudo bem", ela ouviu. Tinha vontade de chorar, mas agora os sentimentos se misturavam. A alegria começava a tomar conta daquele peito que tanto havia se angustiado nos últimos meses.

Uma lágrima escorreu de seus olhos e ela adormeceu com a certeza de que tudo ficaria bem. E ficou mesmo.

3 comentários :

Arlison disse...

No começo fiquei aflito, o texto me fez sentir uma sensação estranha de que algo ruim iria me impressionar no final rs. Mas não foi nada disso, tudo terminou bem.

Marcus disse...

Ao invés de largar o Jornalismo e correr para as Letras... Teríamos uma nova Clarice.

Mais otimista, é claro.

Nuno Godinho disse...

Lindo texto. Sucinto mas completo. Parabéns.